Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O pior cego

Não, não quero ver, por isso fujo para mundos meus de leitura, filmes, series e agora também de escrita.

O pior cego

Não, não quero ver, por isso fujo para mundos meus de leitura, filmes, series e agora também de escrita.

26.Jul.20

À pressa

O pior cego
     Estou a escrever este texto à pressa porque tenho de o publicar hoje, sem falta. Não pode esperar por amanhã, é demasiado importante. Não importa sequer a pontuação ou os possíveis erros ortográficos ou gramaticais. Estou a escrever este texto à pressa porque tenho de sair. Tenho de ir às compras a correr. Não posso demorar mais de 30 minutos porque depois tenho ainda de fazer o jantar. Não pode passar de hoje. Depois de jantar ainda tenho de passar a roupa a ferro e (...)
22.Jul.20

Uma forma de desligar

O pior cego
     Interagir com outras pessoas nunca foi fácil para mim. Ter o à vontade de estar a falar com alguém, de partilhar o que penso e o que sinto nunca me pareceu natural. Menos ainda quando sinto que ninguém quer saber. E torna-se pior quando vejo que as poucas pessoas que ouvem, não compreendem. Por isso fecho-me e fico sozinho. Escrevo e guardo, ou por vezes nem isso. Tento encontrar actividades que possa fazer sozinho. Actividades em que ninguém me vá incomodar. Mesmo assim, (...)
12.Jul.20

Chove lá fora

O pior cego
     Chove lá fora. Vejo um clarão seguido de um estrondo. A minha mente perde-se por momentos nos cálculos de infância - então, se a velocidade da luz.. e a velocidade do som.. isso quer dizer que a trovoada... - Mas rapidamente volto à realidade.      Chove lá fora. Vejo um clarão seguido de um estrondo. A água escorre junto à estrada e sou de novo relembrado da minha infância - as brincadeiras que eu inventava quando tinha de ficar fechado em casa por estar a chover.. (...)
11.Jul.20

Hoje não me apetece escrever

O pior cego
     Está demasiado calor. O verão chegou e a praia chama por mim. Pego num livro mais ligeiro e deixo aquele livro desafiante no escuro do meu quarto. Há meses que o estou a tentar acabar, mas hoje nem lhe vou tocar. A preguiça causada por este tempo está a chegar até mim e eu deixo.      Com o livro numa mão e a toalha noutra vou até à praia onde está demasiada gente para me sentir confortável. Deito-me um pouco a apanhar sol. Viro-me e ao fim de poucos minutos acabo (...)
29.Jun.20

Porque volto sempre

O pior cego
     Todos os dias penso em escrever e raramente o faço.      Todos os dias tenho uma nova ideia e raramente a concretizo.      Todos os dias tenho um novo texto e raramente o publico.      Quero-o fazer. Quero escrever e quero que os meus textos sejam publicados. Queria ter a coragem de passar as minhas ideias para o papel virtual do meu computador e mais coragem ainda para as enviar para o mundo. Mas não tenho. Pelo menos não na maioria dos dias.      Ao olhar para (...)
18.Mar.17

14 Dias - Desafios

O pior cego
     Faz hoje dezoito dias que comecei este desafio. Claro que vou deixar as conclusões para o fim mas, agora, com mais de metade do caminho percorrido, começo a pensar no futuro. A planear. A projectar...      Provavelmente é mau mas, como se costuma dizer, não é defeito, é feitio...      Não sei o que fazer com o blogue. Se hei-de continuar a escrever mas com uma frequência menor, se hei-de tentar continuar a escrever todos os dias. Pensei também em começar um (...)
12.Mar.17

20 Dias - Nada

O pior cego
     Sempre tive dificuldades em fazer apresentações orais. Talvez por não estar completamente à vontade no tema, talvez apenas pelo extremo nervosismo, acabava sempre por me engasgar e enganar em alguma coisa.      Acima de tudo, acho que o meu grande problema era em falar, em convencer as pessoas de que o que estava a dizer era importante quando eu sabia que não era. Sempre tive problemas em falar de nada. Em falar só por falar. Com o passar dos anos fui evoluindo essa habilidade. (...)
28.Mar.15

Tempo

O pior cego
     Na correria da vida não se olha para trás. Ideias surgem e ideias partem assim como tudo, a correr. Com pressa de chegar e com pressa de partir, não se fica.  Nunca se está parado, nunca se chega realmente a lado nenhum.      Na pressa de viver, não se vive, morre-se. Sobrevive-se querendo viver e sonhando o que nunca se vive. Mas só de noite, que de dia esta-se demasiado ocupado a correr, a ir a algum sitio com alguém.      Não há tempo para as pessoas. Não há (...)
15.Mar.15

A árvore

O pior cego
     Numa enorme planície verdejante foi plantada uma árvore. Uma semente trazida pelo vento que ali conseguiu criar ténues raízes e começar o seu crescimento. Durante os primeiros anos cresceu alegremente ao sabor do sol imenso que era só dela. Pássaros passaram, pessoas sorriram ao ver o pequeno rebento no imenso campo e algumas até o regaram com esperança de o ver crescer.      A árvore foi crescendo. Nasceram ramos onde alguns pássaros começaram a fazer ninhos e (...)