Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O pior cego

Não, não quero ver, por isso fujo para mundos meus de leitura, filmes, series e agora também de escrita.

O pior cego

Não, não quero ver, por isso fujo para mundos meus de leitura, filmes, series e agora também de escrita.

18.Fev.15

O pirata

     Em Alto mar sentiu o vento passar pelo cabelo. Viu as velas a moverem-se com o vento e gritou algumas ordens para os seu homens. Estavam algures no meio do Atlântico, o sol estava alto no céu e eles dirigiam-se para Oeste, em busca do desconhecido. Estavam há um mês no mar e após uma calmaria, tinham finalmente vento para voltarem a navegar. Era a primeira vez que capitaneava um navio mas os longos anos no mar tinham-lhe ensinado tudo. Ele era o mais corajoso e o mais forte dos homens e iria ser o pirata mais rico dos sete mares!

     Do topo do mastro ouve-se um grito. "Navio a estibordo!". E lá estava ele. Grande, imponente, com enormes canhões e enormes velas para permitir que todo aquele peso se movesse no mar. Ele sabia o que aquilo significava. Ouro. O suficiente para poder navegar pelo mundo e conhecer tudo o que havia para conhecer. Gritou mais algumas ordens para os seus homens e, ele mesmo, foi içar o pano negro. Começaram-se a aproximar rapidamente. O seu navio era rápido e tinha o vento a favor. Quando chegou perto o suficiente gritou a plenos pulmões "preparar para abordar" e ouve a resposta. "Anda comer, o almoço está na mesa".

     Ali, do topo da sua cama, onde tinha os seus brinquedos preferidos espalhados e um pano preto atado a um canto, usava uma pala. Uma pala que tapava ambos os olhos e que lhe permitia ver tudo.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.