Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O pior cego

Não, não quero ver, por isso fujo para mundos meus de leitura, filmes, series e agora também de escrita.

O pior cego

Não, não quero ver, por isso fujo para mundos meus de leitura, filmes, series e agora também de escrita.

26.Jul.20

À pressa

     Estou a escrever este texto à pressa porque tenho de o publicar hoje, sem falta. Não pode esperar por amanhã, é demasiado importante. Não importa sequer a pontuação ou os possíveis erros ortográficos ou gramaticais. Estou a escrever este texto à pressa porque tenho de sair. Tenho de ir às compras a correr. Não posso demorar mais de 30 minutos porque depois tenho ainda de fazer o jantar. Não pode passar de hoje. Depois de jantar ainda tenho de passar a roupa a ferro e deitar-me cedo. Amanhã vai ser um grande dia. Começam as minhas férias e tenho de aproveitar o dia ao máximo. Vou-me levantar bem cedo e ir a correr para a praia. Às 9 horas, no máximo, já tenho de estar a apanhar sol, porque mesmo assim só vou ter duas horas antes da marcação no cabeleireiro. É neste estado de constante ansiedade que todos vivemos as nossas vidas.

     Olho à minha volta e vejo toda a gente a fazer tudo à pressa. Os limites de velocidade não são para respeitar, são meramente indicativos. Com licença, deixem passar que estou atrasado. Peço desculpa, mas agora não posso falar, que já tenho coisas combinadas. Ler um livro de 500 páginas? Nunca vou ter tempo para isso.

     Toda a gente tem pressa. Toda a gente está atrasada para alguma coisa, mas para quê? Porquê tanta pressa? Porquê cansarmo-nos dia após dia com coisas sem importância? Nem quando estamos de férias podemos relaxar. Temos de fazer tudo aquilo para que não temos tempo durante as nossas vidas super atarefadas. Temos de ir uma semana para fora aproveitar a praia. Temos de fazer uma limpeza grande à casa porque durante os dias de trabalho estamos demasiado cansados. Estamos tão ocupados e com tanta pressa para chegar, que nem nos apercebemos que não temos sequer um destino.

     Nestas férias não vou sequer obrigar-me a relaxar. Não vou meter um único objectivo. Mas vou tentar aproveitar e tentar aprender a deixar fluir e a viver e quem sabe possa transportar essa energia para o resto do ano.