Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O pior cego

Não, não quero ver, por isso fujo para mundos meus de leitura, filmes, series e agora também de escrita.

O pior cego

Não, não quero ver, por isso fujo para mundos meus de leitura, filmes, series e agora também de escrita.

08.Mar.15

À janela

     Abro a janela e deixo que o calor me toque. Está um lindo dia de primavera e esta sensação é óptima. Não há nuvens no céu, apenas um enorme sol que me aquece por fora e por dentro. Ouço os pássaros cantar e vejo-os voar de árvore em árvore na sua agitada felicidade. Ao longe, admiro duas borboletas brancas que voam por entre ramos, folhas e frutos maduros. Lá no alto também vai um avião, lentamente. Parece que não tem pressa, ali, a quilómetros do chão, a reflectir aquele sol imenso.

     Ai como era bom voar! Saltar da janela e poder ir em direcção ao sol, qual Ícaro renascido. Ir onde nunca fui e conhecer o que é para mim desconhecido. Descobrir o mundo sem pressa e sem preocupações com os buracos na estrada, com o preço do petróleo ou com os tempos de espera nos aeroportos.

     À janela dou-me ao luxo de sonhar durante breves minutos, mas a realidade não é para sonhadores. Fecho a janela e volto ao estudo com o terrível peso de deixar para trás a felicidade, mas com a leveza de trazer sempre comigo um pedaço de sonho.